Prefeitura de Curitiba

Portal Administrativo do Município

Curitiba, 03 de abril de 2020
   

Máscaras de escudo facial reforçam segurança dos profissionais de saúde

25/03/2020
capa

 

 

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS) comprou 15 mil máscaras de escudo facial para reforçar a segurança dos 8,7 mil profissionais de rede na pandemia da covid-19. São peças de acrílico que protegem o rosto todo e devem, dependendo do tipo de atendimento, ser utilizadas por cima de outros equipamentos de proteção individual (EPIs), já disponíveis em toda a rede. 

Este tipo de equipamento também será produzido no Fab Lab da Prefeitura.

Cada profissional terá a sua máscara de escudo facial, que começará a ser distribuída nos próximos dias em toda a rede municipal. Ela pode ser higienizada e reutilizada.

“Essa máscara é uma barreira física contra eventuais gotículas de secreções que possam ir dos pacientes para os profissionais de saúde", explica o diretor do Centro de Epidemiologia da SMS, Alcides Oliveira. "Elas também impedem que os profissionais levem a mão ao rosto, dificultando a possibilidade de contaminação.” 

A máscara de escudo facial deve ser usada na recepção, em atendimentos de casos clínicos e suspeitos da covid-19, salas de vacina, farmácias. Nos atendimentos de casos suspeitos, ela deve ser usada em conjunto com avental descartável, máscara bico de pato e luvas descartáveis.

Nas portas das unidades, nos demais atendimentos clínicos e nas salas de vacinas está recomendado o uso de máscara cirúrgica por baixo da máscara de escudo facial.

“Desde o início da pandemia nos organizamos para termos reservas de EPIs. E, agora, estamos dando um passo a mais para assegurar a saúde dos nossos profissionais, que estão na linha de frente de combate ao novo vírus”, afirma a secretária municipal da saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. 

Segundo a secretária, entretanto, é importante a colaboração de todos para que os EPIs sejam usados com racionalidade.

“Temos disponível o suficiente em toda rede e estamos providenciando a compra de mais equipamentos. Mas, considerando o contexto mundial desta doença e a disponibilidade destes materiais no mercado, solicitamos que todos usem da forma mais racional possível”, orienta.

Imprimir | Voltar